sábado, 26 de junho de 2010

Hampton Inn, Silver Spring
Elemento suspeito portando uma bicicleta

Existe todo um espectro para guardas de segurança, que vai do vigiliante do shopping assistindo seu futebol na TV portatil e deixando a vida passar ao seu redor, até seguranças de comboios no Iraque que atiravam primeiro (contra qualquer movimento considerado suspeito) e não perguntavam depois. O parâmetro que diferencia uns dos outros é o quanto que eles consideram que sua vida é da conta deles.

Os seguranças do Instituto de Patologia das forças armadas americanas* certamente achavam que a minha vida era muito da conta deles. Me interpelaram assim que entrei inadvertidamente pela porta automática (que recebe soldados mortos no Afeghanistão e Iraque, por exemplo) a procura do tal congresso. A minha incapacidade de desaparecer de imediato quando me disseram que eu deveria sumir dalí só aumentava o nervosismo. Creio que a indagação a respeito 'do congresso de neurociência', dita em um sotaque não identificado por um maluco empurrando uma incongruente bicicleta soou para eles como 'vou estourar os seus miolos com estes pneus cheios de C4!' ou algo assim. De alguma forma, consegui aos poucos acalmar os ânimos, repetindo a explicação e mencionando que o evento deveria ocorrer no museu. 'Aaaa, não é aqui, é descendo a escada' - me disseram. Ficou tudo por isso mesmo, e achei o congresso sem maiores contratempos. Mas segundo a Priscila (que também foi para lá por engano, embora sem uma bicicleta e em circumstâncias menos suspeitas), eles mencionaram que um maluco com bicicleta havia aparecido lá dentro mais cedo, e eles estavam quase a ponto de sacar as armas. Quando não são folhas de bananeira, é uma bicicleta...

A dita cuja é uma Dahon D7, dobrável, dando prosseguimento ao plano que esbocei ontem. Eu havia selecionado algumas lojas próximas à Foggy Bottom, e resolvi passar por elas a pé para cotar as bicicletas disponíveis. Não encontrei nada pagável na margem leste do Potomac. Atravessei então uma ponte, passando por cima da Roosevelt island, e cheguei na ciclovia do lado Oeste (em Arlington, a cidade satélite de DC onde fica o famoso cemiterio). O problema é que, se de um lado havia um rio de água, do outro havia uma enxurrada de carros, sem sinal ou faixa de pedestres, e logo além, um muro de contenção de pedra que desencorajava quaisquer tentativas de dar uma de frogger

O senhor para o qual perguntei onde havia uma saida que eu poderia tomar não parecia muito familiarizado com o conceito de 'pedestre', e eventualmente sugeriu que eu usasse um carro. Felizmente, depois de andar um pouco consegui achar um elevado conveniente, adaptado para quem não é dotado de rodas. Chegando na rua certa e andando mais alguns quilometros, (uma possibilidade real em cidades onde a numeração das ruas extremamente retas vai, quase sem indicação, até os altos milhares), finalmente achei a loja de bicicletas que procurava.

Para resumir, porque preciso dormir com alguma urgência, vim de bicicleta de Arlington, Virginia, até Silver Spring, em Maryland, cruzando o Distrito de Columbia no processo. Posso dizer que foi um passeio por três estados. Minhas pernas doem.

De qualquer forma, se não chover, pretendo quase ignorar a existência do metrô durante estes dias. Washington é uma cidade bem adaptada para bicicletas.


______________
* Dentro do complexo Walter Reed, e anexo ao museu de medicina onde ocorre o meu encontro

4 comentários:

One ToughCookie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cora Caroline disse...

*Eu ri*
Você não tem sorte com seguranças/policiais, né?

|3run0 disse...

CC: Por outro lado, eu poderia argumentar que eu tenho *muita* sorte, já que apesar de tudo nada de muito ruim acontece comigo.

Cora Caroline disse...

É verdade. Sorte que as únicas coisas que acontecem acabam sendo engraçadas.