sábado, 31 de março de 2007

Casa, Rio
Elemento suspeito portando uma folha de bananeira

. foto Arbyreed

O ar húmido e quente cobre a cidade como uma manta gasta. Uma noite tropical carioca como tantas outras, na qual os desavisados costumam confundir placidez com segurança. Seus habitantes vem e vão, furtivos, rápido demais para deixar mais do que um leve e acre cheiro de medo no ar. Se são bons ou ruins, feios ou bonitos, não importa. A única distinção relevante é entre aqueles que aprendem rápido, e aqueles que contraem uma dor de cabeça de 9 mm e não acordam mais. O nome é Bruno. Bruno Mota, físico e cozinheiro.

O plano era simples. Eles sempre são. Fazer um jantar tailandês para alguns amigos. Arroz aromático, um curry de carne (mais indiano do que propriamente tailandês), e um peixe com leite de coco e erva cidreira, embrulhado em folha de bananeira. O único problema era arranjar uma folha de bananeira.

Já era noite quando saí para comprar os ingredientes, e como sempre estava atrasado. Eu pensava inicialmente em achar alguma bananeira nas margens do canal, mas não só não vi nenhuma como o cheiro da água era um desestimulo sério a qualquer aventura culinária com a flora ciliar local. Sem mais tempo ou ideias, perguntei aos guardas de um condomínio semi-fechado ao lado se eles conheciam alguma bananeira por perto. Depois de verificarem que eu não estava usando um eufemismo obscuro para algum tipo de atentado ao pudor, eles foram até bastante solícitos. A possibilidade de uma poda freelance de uma das várias bananeiras que adornam os jardins das mansões próximas foi rapidamente aventada, e ainda mais rapidamente descartada. Um deles então se lembrou de uma bananeira solitária, em um matinho intersticial próximo a entrada para o tunel Zuzu Angel. Agradecido, subi na minha bicicleta e pus-me a caminho.

O local era de fato um tanto ermo e mal iluminado, ao lado de uma escada de acesso a uma escola municipal, obviamente fechada durante a noite. Era um pequeno triângulo irregular com algumas arvores desmilinguidas. No centro, qual um Ent adormecido, havia um glorioso bananal! Podei duas das folhas menos rasgadas, e comecei a alegremente cortar fora a parte carnuda com meu canivete. Só notei o carro da polícia parando na calçada em frente quando soou o 'WAAAAM' da sirene.

Um policial que vê um indivíduo cortando com uma faca alguma coisa não identificada em um mato ermo tem direito a nutrir alguma desconfiança. Os dois presentes na viatura não pretendiam correr riscos. Sairam do carro com os olhos fixos em mim e mãos firmes nos coldres. Um deles, careca e barrigudo, levava uma lanterna na mão esquerda, mas por algum motivo preferiu não usa-la. Mas foi o seu companheiro mais jovem, com o porte de um lenhador, que falou primeiro:

"O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AÍ?"

Eles provavelmente não se surpreenderiam, e saberiam o que fazer, se eu dissesse 'retalhando a minha esposa', ou 'separando a maconha'. Mas quando eu disse "Cortando uma folha de bananeira", ao mesmo tempo em que deixava o canivete no chão e levantava uma folha, a minha versão tropical do ramo de oliveira, houve uma pequena pausa enquanto eles lidavam com a dissonância cognitiva. O lenhador chegou mais perto e perguntou, ainda agressivo mas com um traço de curiosidade na voz.

"Para quê você quer uma folha de bananeira?"

"Para cozinhar. Vou fazer um jantar hoje"

"Você come a folha?!" -- perguntou o careca, horrorizado, a única coisa que disse durante todo o encontro.

"Não! Eu uso para embrulhar o peixe... E o vapor bla bla bla leite de coco bla bla bla culinária tailandesa, que é bastante distinta da indiana, e bla bla bla" -- fui ficando entusiasmado enquanto descrevia o prato, e o resto do menu, e por pouco não emendo uma análise da situação política na Birmânia e um comentário sobre observação de cometas. Em algum momento do meu monólogo, o careca decidiu que eu era maluco e entediante, mas inofensivo. O lenhador por outro lado foi ficando mais interessado.

"Que comida diferente! E você come com arroz?"

"É! Se você conseguir achar, fica melhor com arroz de jasmim"

"Hmmm... Acho que vou pedir para minha mulher cozinhar isso um dia"

"Excelente ideia! Aqui, leve a receita para ela, que em casa eu imprimo outra"

Ele hesitou por alguns instantes, como se indeciso entre pedir a receita do curry ou me convidar para o jantar; mas talvez lembrando-se das circunstâncias do nosso diálogo, simplesmente se despediu amigavelmente. Ele voltou então para o carro, para o alívio do seu colega, que provavelmente agradecia aos céus por minha idoneidade aparente, que o desobrigava de ir até a delegacia mais próxima ouvido a respeito dos méritos das especiarias ou sobre as várias maneiras de se cozinhar um peixe. Eles desapareceram na noite, tocando a sirene para avançar no transito ainda arrastado.

15 comentários:

Bernardo Esteves disse...

In a while, crocodile...

O primeiro parágrafo tá ótimo! Fiquei com água na boca - pelo texto e pelo prato. Come back soon, raccoon!

Mr. Cury disse...

Ora Bruno, se voce tivesse ja' comprado Curry by Cury voce ja' saberia que a FOLHA DE BANANEIRA pode ser plenamente substituida por aquela folha que embrulha a espiga de milho. E' claro que o fato de ter sido interrogado por policiais e' bem mais interessante. Eu me lembro daquela vez que o menino parou no sinal e perguntou se a gente tinha dinheiro e voce tinha saido do restaurante chines e disse que dinheiro voce nao tinha mas tinha "porco doce azedo com arroz mei mei". Resultado: o moleque saiu correndo.
Proxima vez, para fazer uma cozinha mais fusion (super na moda aqui na europa), use Arroz de Calasparra aromatizado com Curcuma ou entao açafrao. E' uma das outras dicas: utilizar um arroz que nao tem nada a ver com a nacionalidade do teu prato.

|3run0 disse...

Bernardo, daqui a pouco posto as notícias.

Rafa, infelizmente espigas de milho são ainda menos comuns aqui no Rio do que bananeiras. Mas vou ficar de olho, caso algum arroz de Calasparra apareça por aqui.

Bernardo Esteves disse...

Sensacional a história!!! Valeu a espera. Fiquei com medo enquanto lia, temi pelo pior. Mas você se saiu bem - dos policiais do Rio pode se esperar de tudo. Será que a esposa resolveu arriscar o prato?

O episódio me lembrou o dia em que, voltando da Joatinga, fui parado numa blitz naquele retorno em São Conrado e o guarda encontrou no meu porta-malas vários pacotes grandes embrulhados em papel pardo - exemplares da obra completa de Jorge Mautner.

Claro que tive que abrir um e mostrar pra ele o que era. Quando dei por mim, estava cantando "Maracatu atômico" e "Vampiro" pro policial.

Até que foi bom: ele me mandou seguir e passou batido por meu irmão, que portava algo que não devia.

Marcelo Para' disse...

Eu nem tenho palavras pra comentar esse caso. Divertidissimo.

Anônimo disse...

¿Por qué la gente sin embargo piensa que Elvis está vivo? Significo, adelantado, gente. ¿No hay cosas mejores a concentrarse encendido? Significo, después de todo, no nos olvidemos del individuo en el final de sus días era un drogadicto desesperado y tiraba encima de medio a sus dedos del pie antes de que él podría levantarse realmente en etapa para conseguir encendido con la demostración.

Mi, de Camila disse...

Olha, e o jantar valeu à pena toda a experiência. Apesar de eu ter comido apenas o curry...

Andrey disse...

What can I say? All I know is "Kalaboka" an "seidade de deus".
kalaboka bruno! esta seidade de deus! (hope i didn't fuck up with "esta")

|3run0 disse...

Hi Andrey! 'Cala a boca' means 'shut up'. Somehow, however deserved, I don't think this is what you had in mind ;-). Cidade de Deus is a suburb of Rio, and means 'City of God'.

Nobody disse...

seems like the middle east is coming to brazil .... watch your blogs, bruno, if you dont want to find yourselves in the place of these arabs who are helplessly watching their blogs being hijacked by commenters from israel ...

|3run0 disse...

Damn you NB! My blog is under zionist occupation now... I'm feeling conspirazoid already.

Of course things *could* get worse... AlGhaliboon might decide to show up and defend me with a katyusha or two.

Anônimo disse...

Excellent web site you have got here.. It's hard to find good quality writing like yours nowadays. I honestly appreciate people like you! Take care!!

My homepage :: pirater un Compte facebook

Anônimo disse...

I every time emailed this weblog post page to all my friends, for the reason that if
like to read it afterward my links will too.

Check out my web page :: Candy Crush Saga Hack

Anônimo disse...

Nice post. I learn something new and challenging on websites
I stumbleupon every day. It's always useful to read through articles from other writers and practice something from other websites.

Here is my website - your anchor text

Anônimo disse...

First of all I would like to say great blog! I had a quick question which I'd like to ask if you don't mind.
I was curious to find out how you center yourself and clear your thoughts prior
to writing. I've had difficulty clearing my thoughts in getting my ideas out. I do take pleasure in writing however it just seems like the first 10 to 15 minutes are generally lost simply just trying to figure out how to begin. Any recommendations or tips? Thank you!

my page Psn Code Generator