quinta-feira, 14 de junho de 2007

Casa, Rio de Janeiro
Suicídio nacional

O único conflito no Oriente Médio no qual uma vitória completa é absolutamente necessária é o do meio contra os extremos. É um conflito que existe dentro de Israel, da Palestina, do Iraque e do Líbano. Em Israel e no Líbano, o ‘meio’ ainda tem alguma chance, mas na Palestina e no Iraque os extremos estão levando todas. No final das contas, ficar discutindo de quem é a culpa em um detalhismo barroco é o menos importante. Uma condição necessária para o surgimento de uma Palestina independente é a existência um projeto nacional, com uma liderança capaz de resolver diferenças internas por meios outros que não a tiros, e com a capacidade de governar um país. Ao invés disso temos uma guerra entre gangsters do Fatah e psicopatas do Hamas, foguetinhos e imbecis autodetonantes usados como um meio de obter apoio interno (terror populista?), a ausencia de qualquer liderança plausível capaz de agir com os interesses nacionais palestinos em mente, e a erosão, contínua e provavelmente intencional, de todas as instituições que poderiam servir de arcabouço para construir uma Palestina independente.

Condições necessárias e suficientes para uma Palestina independente são i) projeto nacional, ii) paz com Israel e o iii) fim da ocupação. O item i), se já existiu, agora é uma piada de mal gosto. O item ii) é uma perspectiva cada vez mais distante, ao qual o Hamas se opõe sob quaisquer circunstâncias razoáveis, o que torna iii) uma causa perdida. Podemos ficar discutindo qual parcela de culpa cabe a Israel, aos EUA, a Siria ou aos Klingons, mas só os palestinos podem cometer suicídio nacional, e é aparentemente o que eles estão fazendo com grande entusiasmo.





PS: O post acima é uma adaptação de um comentário que escrevi no blog do Pedro Doria. Estou sem tempo para blogar decentemente. Mas para confirmar que desgraça gosta de companhia, pelo menos no Oriente Médio, noto de passagem que islamistas (provavelmente controlados ou estimulados pela Siria) em um campo de refugiados palestinos no norte do Líbano estão lutando faz 3 semanas contra o exército libanês; enquanto isso um outro parlamentar anti-síria foi assassinado (junto com outras 9 pessoas) ontem em Beirute. No Iraque, alguém (provavelmente Al Qaeda) explodiu os minaretes da mesquita em Samarra (onde estão enterrados dois dos imãs xiitas), cuja destruição parcial ano passado iniciou a pior onda de violência sectária no Iraque desde a invasão americana. Uma guerra entre Siria e Israel parece provável neste verão, e a Turquia ameaça invadir o norte do Iraque depois do recrudescimento dos ataques terroristas do PKK. Irã e EUA continuam se encarando no golfo pérsico.

PS: Eis um blog de um jornalista que está em Gaza [não o Alan Johntson ;-) ]
PS2: Why there is no Palestine
PS3: A análise da situação por meu amigo palestino no Canadá.
PS4: Uma reporter israelense em Ramallah (na Cisjordânia)

16 comentários:

Tsedek disse...

You know I've got a Portugese family maidenname - I wish I could understand the language....

José Pedro Ribeiro disse...

Os seus comentários são sempre muito apreciados lá por Braga. E que pena não podermos ver posts seus com mais frequência para nos ajudar a entender melhor as movimentações nas Arábias.
Um abraço.
José Pedro
Já agora: qual é o blogue do Pedro Doria?

|3run0 disse...

tse, this was just me saying that in the ME the one battle that absolutely must be won is that of the middle against the extremes. At some point, when I have more time, I'll probably should do a blog in english.

Pedro, obrigado. O blog do PD é http://pedrodoria.nominimo.com.br/.

Tsedek disse...

You're right:

1. that battle must be won.
2. you should have a blog in English as well.

Thx ;-)

Bruno disse...

A BBC, a rede de televisão mais inteligente do planeta, já achou a solução do problema! Eles dizem que a situação na faixa de Gaza está assim, porque o mundo se negou a negociar com o Hamas. Ora pois, faz todo sentido... Eu não quero negociar com você, então você me dá um tiro. Justo, não?!?!
By the way, a mídia brasileira não tem se dedicado tanto a noticiar os andamentos da guerra civil (já pode se chamar assim?) na Palestina. Tá faltando algum ingrediente nessa história pra eles levarem isso pra primeira página... O que seria? Ora, no momento, a cidade de Sderot está sendo poupada, portanto, não há ofesiva por parte de Israel. Se não tem Israel na jogada, o jornal não vende.

|3run0 disse...

Oi Bruno! Acho que 99% das pessoas que acompanham as noticias não tem a menor ideia do que está acontecendo com Sderot. Acho que a principal razão é que a gravidade de uma situação costuma ser julgada por dois critérios principalmente, em ordem de importância:

1) Imagens dramáticas de destruição
2) Numero de mortes

Sderot está a ponto de se tornar uma cidade fantasma, mas não se encaixa bem em nenhum dos criterios acima, e portanto fica enterrada sob outros assuntos mais sexy. Não é o unico caso. E.g., os campos palestinos no Libano são uma calamidade desde sempre, mas que só viram notícia quando acontece algo cinético, como a batalha entre os pseudo-Al Qaeda e o exército libanês.

A BBC tem as vez um certo ranço na cobertura do Oriente Médio, mas não me parece ser tanto o caso de ser anti-Israel, ou anti-semita (veja os comentários dos blogs libaneses sobre a cobertura da batalha em Nahr Al Bared), mas sim um complexo de culpa pós-colonialista. Quanto mais tribal ou avesso a modernidade (e portanto 'autentico') um grupo for, mais a BBC procura arrumar desculpas condescendentes para o seu comportamento. É na verdade a mesma mentalidade colonialista de sempre, mas com o sinal de aprovação moral invertido.

Quanto à mídia Brasileira, até que tem saído bastante notícias sobre Gaza (mas quase nada sobre Sderot, me lembro de uma reportagem mais extensa na folha a alguns meses, mas fora isso nada mais detalhado). Mas a minha impressão é que a maior parte dos jornalistas aqui simplesmente fazem um cozido da BBC, Haaretz e CNN, e ficam por isso mesmo. A cobertura é extremamente superficial, e parcial ou não na medida em que as fontes usadas o são.

Nobody disse...

Bruno said...

A BBC, a rede de televisão mais inteligente do planeta, já achou a solução do problema! Eles dizem que a situação na faixa de Gaza está assim, porque o mundo se negou a negociar com o Hamas. Ora pois, faz todo sentido... Eu não quero negociar com você, então você me dá um tiro. Justo, não?!?!


at least as far as israel is concerned it did not refuse to talk to hamas .. israel just said that before negotiations can start hamas should recognize israel's right to exist, stop shelling sderot and remove from their manifesto that clause that says that all jews will be slaughtered on the judgement day

Nobody disse...

|3run0 said...

tse, this was just me saying that in the ME the one battle that absolutely must be won is that of the middle against the extremes.


i am just wondering where i stand according to your classification

|3run0 disse...

NB, I don't want to be the first to break it to you, but as far as policy prescriptions go, you are actually quite liberal ;-). The radicals on your side are the ones who want to relive their biblical fantasies on some hilltop near Hebron.

|3run0 disse...

Olhmert too should be given a 'honorary radical' badge, for being so radically incompetent.

Nobody disse...

yes .. olmert and peretz are el kaida of incompetence

Nobody disse...

i think you should check this ... the situation seems to be dramatically escalating in the holy land... and even beyond it ...

|3run0 disse...

First Farfur, now this?! Have you no shame?


You bastards!

Nobody disse...

this comment of yours will integrate very nicely into the comments section of nizo's post

:D :D

fepa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fepa disse...

Por quê os palestinos devem aceitar, sem reclamar, a invasão de terras e a criação de um "estado" no país deles para invasores judeus do mundo inteiro? Porque eles são militarmente mais fracos, portanto uma raça inferior que deve ser colonizada, humilhada e dominada?